Midia.Net
nation2.com  


Enquete
Que filme representaria o Brasil no Oscar 2011?
Lula, o Filho do Brasil
Tropa de Elite 2
A Suprema Felicidade
Federal
Nosso Lar (Chico Xavier)
Ver Resultados

Rating: 2.8/5 (205 votos)




ONLINE
1







Total de visitas: 23604

Arte, Etc & Tal


 

Filme mineiro vence 43º Festival de Brasília


 

Cena de O Céu sobre os Ombros, que ganhou como o melhor filme em longa-metragem no Festival de Brasília

 

A 43.ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro consagrou O Céu sobre os Ombros, do mineiro Sérgio Borges, como melhor filme em longa-metragem, segundo o júri oficial. O mesmo filme recebeu também os troféus Candango de direção, roteiro (dividido pelo diretor com Manuela Dias), montagem (para Ricardo Pretti) e o prêmio especial do júri para o elenco. O escolhido como melhor ator foi Fernando Bezerra, por Transeunte, de Eryk Rocha, e como atriz, Melissa Dullius, por Os Residentes, de Tiago Mata Machado.

 

1º/12/2010   -    07H37

 

 

 

Reforma do Cine Brasília depende de trâmites burocráticos entre GDF e MinC

 

CORREIO BRAZILIENSE

 

A mudança de governo no GDF é a esperança para que a tão urgente reforma do Cine Brasília salte do campo das especulações e promessas. O clima de otimismo transmite a sensação de que a sonhada recuperação definitiva do espaço pareça estar bem próximo de sair do papel. “Acredito que o destino do Cine Brasília esteja definitivamente selado.”

A declaração é do ex-coordenador e consultor de curadoria do Festival Fernando Adolfo durante o seminário ABCV Convida, organizado pela Associação Brasiliense de Cinema e Vídeo (ABCV), no Hotel Kubitschek Plaza, aponta para a solução do descaso do patrimônio público.

Para tanto, é preciso que seja assinado um acordo de gestão compartilhada entre Governo do Distrito Federal (GDF), Ministério da Cultura (MinC) e cooperação técnica da Cinemateca Brasileira (sediada em São Paulo). Ainda não existe previsão de quando o acordo será fechado. Segundo o coordenador geral do Festival, Sérgio Fidalgo, o processo encontra-se na Procuradoria- Geral do Distrito Federal (PGDF). Existe a possibilidade de que o Cine Brasília fique fechado após o término do Festival.

 

Em tempos sem festival e mostras internacionais, o Cine Brasília fica com público minguado (Valério Ayres/Esp. CB/D.A Press )
Em tempos sem festival e mostras internacionais, o Cine Brasília fica com público minguado


A proposta é gestada desde 2003, durante a atuação de Orlando Senna como secretário do audiovisual do MinC e prevê, entre outras medidas, a execução completa do projeto original feito por Oscar Niemeyer (contendo inclusive a construção de uma galeria comercial, anexa ao edifício), que até hoje não foi colocada em prática.


O avanço das negociações de assinatura do acordo foram prejudicadas pela crise do GDF durante o ano de 2010. A transição de governos (federal e distrital) ainda causa indefinição no processo. “Uma sugestão é que depois dessa edição do festival seja formada uma comissão com membros de várias instituições e sociedade civil para encaminhar as propostas do acordo para o novo governo. É importante que alguém da transição do GDF participe dessas reuniões”, sugeriu Ana Paula Santana, diretora de programas e projetos audiovisuais do Ministério da Cultura (MinC) e uma das autoras do projeto.


Cineasta e membro da ABCV, Dirceu Lustosa analisou a revitalização pelo ponto de vista da evolução tecnológica de projeção, com perspectiva de inclusão do digital na mostra competitiva de longas e curtas do Cine Brasília: a atual mostra em película 35mm. Se isso acontecer, há possibilidade que o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro sofra mutações severas. “É certo como dois e dois são quatro que se a competitiva no Cine Brasília passe a englobar o digital, o número de inscrições aumentará muito. Como fazer para selecionar apenas seis longas no meio de um número tão grande de inscrições? Os dias de realização terão de ser extendidos? Como será o Festival daí para a frente?”, indagou Lustosa.



30/11/2010   -    08H41



Morre o ator Leslie Nielsen, protagonista de "Corra que a Polícia Vem Aí"

 

AGÊNCIAS DE NOTICIAS

 

O ator canadense Leslie Nielsen, morreu aos 84 anos, no hospital Fort Lauderdale, na Flórida, neste domingo, 28, por complicações decorrentes de uma pneumonia.

Jerry Angelica/Efe
Jerry Angelica/Efe
Ator canadense Leslie Nielsen

 

Nielsen é protagonista de comédias famosas como Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu! ou a saga Corra que a Polícia Vem AíMr. Magoo. e

 

"Estamos tristes pelo falecimento do querido ator Leslie Nielsen, provavelmente melhor lembrado como o tenente Frank Drebin na saga Corra que a Polícia Vem Aí, embora tenha desfrutado de uma carreira no cinema e na televisão durante mais de 60 anos", diz o comunicado, escrito pela família de Nielsen.

Seus familiares pedem ao público que, em vez de enviar flores, remetam doações em seu nome a organizações beneficentes.

 

Doug Nielsen, sobrinho do ator, comentou em uma rádio local que o ator tinha permanecido hospitalizado durante 12 dias e que sua situação piorou nas últimas 48 horas. Nielsen morreu rodeado por sua família e amigos.

 

Vida

 

Nascido em Regina (Canadá) em 11 de fevereiro de 1926, Nielsen apareceu em mais de 100 filmes e centenas de programas de televisão ao longo de sua carreira.

 

Chegou a Hollywood em meados da década de 1950 após aparecer em dezenas de dramas para televisão em Nova York.

 

Começou a trabalhar como galã em uma variedade de filmes devido a sua altura e beleza, e entre alguns de seus trabalhos dramáticos mais conhecidos estão O Planeta Proibido (1956) e O Destino do Poseidon (1972).

 

Mas por dentro havia uma veia cômica que explodiria no sucesso mundial Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu! (1980), de Jim Abrahams e dos irmãos Jerry e David Zucker.

 

Após esse sucesso vieram outras comédias: Corra que a Polícia Vem Aí; Corra que a Polícia Vem Aí 2 1/2; Corra que a Polícia Vem Aí 33 1/3; Drácula - Morto, Mas Feliz; Todo Mundo em Pânico 3; e Todo Mundo em Pânico 4.

 

Casado quatro vezes, teve duas filhas com sua segunda esposa, Maura e Thea Nielsen.

 

29/11/2010   -   06h40


Tropa de Elite 2 atinge marca dos 10 milhões de espectadores

 

G1.COM.BR


Com os resultados de bilheteria do último fim de semana, o filme "Tropa de elite 2" chega à marca de 10 milhões de espectadores e já é o recordista do ano nos cinemas brasileiros. Os dados foram divulgados pela assessoria de imprensa da produção nesta terça-feira (23).


 

 

 

Em breve, o longa de José Padilha pode virar o mais visto da história do cinema brasileiro, batendo "Dona Flor e seus dois maridos", que atraiu público de 10,7 em 1974.

 

No último fim de semana, a estreia de "Harry Potter e as relíquias da morte" dominou o circuito de cinemas e conquistou a liderança, mas ainda assim 'Tropa 2' atraiu cerca de 190 mil entre sexta (19) e domingo (21).

 

Pirataria

 

Continuação do longa de 2007, premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim, "Tropa de elite 2" mostra seu protagonista, o policial do Bope Nascimento (Wagner Moura), combatendo novos inimigos: políticos corruptos e as milícias que agem nas favelas cariocas.

 

A segunda parte do longa dá um salto de 15 anos em relação à trama oirginal e traz o ex-capitão do Bope, promovido a subsecretário da Segurança Pública, também em confronto com um ativista dos direitos humanos, vivido pelo ator Irandhir Santos.

 

"Tropa 2" foi lançado sob forte esquema antipirataria, que incluiu instruções do Bope segundo o diretor José Padilha. Além de não ter produzido cópias digitais, somente película, a sessão première no Teatro Municipal de Paulínia, no interior paulista, incluía revista em bolsas com apreensão de câmeras e celulares de convidados, além e portas com detectores de metais na sala de exibição.

 

Segundo o diretor, tanta precaução se referia ao "trauma" sofrido em 2007, quando o filme foi pirateado e se tornado fenômeno nos camelôs. Estima-se que 11 milhões de pessoas tenham assistido a um DVD pirata do filme antes de sua estreia.

 

24/11/2010   -   07h23

 

 

Ozzy Osbourne fará show em Brasília no próximo ano

 

CORREIO BRAZILIENSE


A lenda do rock Ozzy Osbourne se apresentará em Brasília, no dia 5 de abril de 2011. O show, que ainda não tem local definido, faz parte da turnê mundial de divulgação álbum Scream, lançado em agosto, e do single Live Won’t Wait.

 

 

Um dos maiores ícones da música de todos os tempos, Ozzy volta ao Brasil para uma série de cinco shows. Além da capital federal, o ex-vocalista do Black Sabbath se apresentará em outras quatro cidades do país: Porto Alegre (30 de março); São Paulo, na Arena Anhembi (02 de abril); Rio de Janeiro, no Citibank Hall (07 de abril); e Belo Horizonte (09 de abril).

As pré-vendas para os shows de São Paulo e Rio de Janeiro já começaram. Em relação aos shows em Brasília, Porto Alegre e Belo Horizonte, as datas ainda serão anunciadas.

 

20/11/2010   -   16h22

 

 

Sete peças brasilienses participam do Prêmio Sesc do Teatro Candango

 

Cena da peça teatral Cabaré das Donzelas Inocentes

 

CORREIO BRAZILIENSE

 

Começa hoje e vai até o dia 18 a única mostra competitiva de artes cênicas realizada no Distrito Federal: o Prêmio Sesc do Teatro Candango. Todos os dias, sempre às 21h, serão encenados no Teatro Sesc Garagem (913 Sul), espetáculos produzidos por aqui e que vão concorrer a uma premiação em dinheiro a nove categorias: espetáculo, direção, ator, atriz, figurino, cenografia, sonoplastia, iluminação e dramaturgia (novidade para a edição de 2010). Quem abre o certame é o Cabaré das donzelas inocentes, às 21h, no Teatro Sesc Garagem.

 

Estão concorrendo sete peças: Cabaré das donzelas inocentes, de Murilo Grossi e William Ferreira; Ilhar, de Paulo Russo; No happy ending — Inspirado no mito de Medeia, da Companhia B; A porca faz anos, de Felícia Johansson; A cela, da Cia. Mapati de Teatro, Cru e Virilhas, ambas de Alexandre Ribondi; .“Infelizmente, mesmo realizando até um festival de teatro internacional, como é o Cena Contemporânea, e tendo tantos artistas e produções de qualidade, Brasília só possui um prêmio para valorizar e estimular os profissionais das artes cênicas. É uma forma de reconhecer o trabalho dessa gente, por isso o Sesc decidiu criar a premiação há 7 anos”, comenta o coordenador do Prêmio Sesc do Teatro Candango, Rogero Torquato. O resultado será divulgado no dia 20, em cerimônia para convidados.

Ele acrescenta que, após a criação da premiação, muita gente passou a se preocupar e a investir na qualidade das produções. Para ele, a seleção dos espetáculos que estão concorrendo neste ano comprova essa teoria. Foi selecionado o que de melhor se produziu no Distrito Federal em 2010. “Antes, a maioria queria pegar os recursos do FAC, montar uma peça, e a qualidade e a criatividade não eram tão focadas. Hoje, com esse prêmio, sabendo que ele dá um aval, inclusive, para participar do circuito nacional de artes cênicas, como o próprio Palco Giratório, os profissionais se preocupam cada vez mais com a qualidade. O nosso objetivo está sendo alcançado. A gente conseguiu produções de alto nível, nos quais os artistas exercitam seu talento e criatividade”, ressalta Torquato.


PELO BRASIL

 

O Palco Giratório foi criado com o objetivo de difundir e descentralizar as artes cênicas no Brasil. A iniciativa se transformou em uma das ações culturais mais importantes do país, pois facilita o acesso às produções teatrais de qualidade. Com uma programação múltipla, diversos espetáculos circulam pelas capitais e pelas cidades do interior do Brasil.


Nova dramaturgia

A edição 2010 do Prêmio Sesc do Teatro Candango distribuirá R$ 20 mil e a grande novidade para este ano é a criação da categoria dramaturgia. Segundo Rogero Torquato, a premiação sempre procurou contemplar quem está no palco e também nos bastidores, e como a produção de textos para teatro em Brasília está a todo vapor, o dramaturgo vai passar a ser valorizado. “Temos a intenção de realizar um prêmio nacional de dramaturgia e fazer isso já dentro do DF é um estímulo para essa categoria. Entre os competidores, temos vários textos inéditos ou textos de pesquisas e é importante reconhecer o trabalho desse profissional. Todo mundo, quando passa a ser valorizado, ganha um gás para prosseguir e produzir cada vez mais”, acredita.

Os ingressos para os espetáculos selecionados para se apresentarem ao público e que concorrem ao prêmio custam

R$ 10. A grande premiação acontece no dia 20, às 21h, também no Sesc Garagem.

 

12/11/2010   -    08h57

 

 

 

Fernanda Abreu e Frejat são atrações de hoje (11/11) na cidade


Nove meses depois de levar 5 mil pessoas ao Museu Nacional Honestino Guimarães, na abertura do projeto Férias  com arte, Frejat volta à cidade com a turnê de Intimidade entre estranhos. Desta vez, o cantor, compositor e guitarrista se apresenta no ExpoBrasília (Parque da Cidade), como uma das atrações do 3º Salão Internacional do Artesanato  — que abriu a programação de shows  no sábado, com a cantora Maria Rita, e termina domingo, com Arnaldo Antunes. Já no Teatro Yara Amaral, no Sesi de Taguatinga, quem sobe ao palco nesta quinta é outro nome forte do pop nacional: Fernanda Abreu.


No show, com entrada gratuita, Fernanda Abreu comemora seus 20 anos de carreira. Atração do projeto Quintas musicais, a garota sangue bom, que começou na música como vocal de apoio da banda Blitz, faz a festa esta noite com músicas que marcaram sua trajetória, como Rio 40º, Kátia Flávia, Jorge de Capadócia, Noite e Jack soul brasileiro. Com oito discos lançados — este ano a Som Livre lançou a coletânea Perfil —, a cantora mostra no palco do Teatro Yara Amaral por que se destacou na cena pop brasileira, com seu jeito carioca de ser, alegre e suingado, influenciada por samba, funk, disco music e rap.







Já Frejat vem a Brasília mais uma vez com sua banda — Maurício Barros (teclado e vocais), Billy Brandão (guitarra e vocais), Bruno Migliari (baixo e vocais) e Marcelinho da Costa (bateria e vocais) — para mostrar músicas do CD Intimidade entre estranhos (2009), como Eu não quero brigar mais não, Tudo de bom e Dois lados. Se o repertório for o mesmo apresentado no Museu Nacional em fevereiro, os fãs podem contar com canções de Amor pra recomeçar (2001) e Sobre nós dois e o resto do mundo (2003), os outros dois discos da carreira solo, iniciada quando a banda que ele tinha desde os 19 anos, o Barão Vermelho, parou por um tempo. Um ou outro sucesso do Barão, como Bete Balanço e Por que a gente é assim?, também têm alguma chance de entrar no set list. A depender da noite e dos pedidos dos fãs.



11/11/2010     -     08h09



ABC de Brasília



DA SECRETARIA DE CULTURA DO DF

 

De 09/11 a 12/12, a Galeria Parangolé, do Espaço Cultural Renato Russo - 508 Sul, será a sede da exposição “ABC de BSB” - Gravuras com Rolhas de Vinho de Sylvio Carneiro. Cerca de 40 obras compõem a mostra que possui gravuras de 2 metros a 15 centímetros. O processo de gravação é feito a fogo, com o uso do pirógrafo e a obra é formada a partir de múltiplas impressões entre tipos e clichês intercambiáveis. As peças são únicas. A exibição faz parte das celebrações do Cinquentenário de Brasília

 

Segundo Sylvio Carneiro, o ABC de BSB é um impressão sobre a impressão do que é novo e complicado para aquele que acaba de chegar a cidade - é uma visão com um olhar externo, uma grande celebração entre o moderno e o antigo. " Imagine o que é para um artista nascer e viver dentro de uma obra de arte. Essa exposição é uma homenagem sincera de um xilógrafo a sua cidade natal", declara Sylvio.

 

 Sylvio Carneiro

 

É professor de gravura, há dez anos, do Espaço Cultural Renato Russo e criou o grupo experimental “Gravadores do Espaço”. Graduado pelo Instituto de Artes da UnB, teve seu primeiro contato com a xilogravura em 1971. Mas, antes disso, já prestava muita atenção nas imagens de um livro de fabulas ilustrado por Gustave Doré. Surge, então, a paixão pela Gravura de Topo Clássica.

 

A experimentação, também, faz parte da vida do artista. Sylvio gosta de recriar coisas, ferramentas, bugigangas. As rolhas aparecem em seu caminho, para habitarem o projeto “xilo nossa de cada dia”, onde as matrizes são gravadas em madeiras de uso cotidiano, tais como: descanso de panela, cabos de vassoura, prendedores de roupa, rolos de abrir massa etc.

 

 Programe-se: ABC de BSB, gravuras com rolhas de vinho de Sylvio Carneiro, de 09/11 a 12/12, na Galeria Parangolé - Espaço Cultural Renato Russo – 508 Sul. Entrada Franca.  

 

INFORMAÇÕES: http://www.sc.df.gov.br

 

 

09/11/2010    -    07h50



Inscrições abertas para Oficina de teatro em Brasilia

 

DA SECRETARIA DE CULTURA DO DF

 

 

A Andaime Companhia de Teatro está com inscrições abertas para oficinas de dramaturgia aberta, iniciação a performance, jogos teatrais, percussão e voz, vivência da comicidade, iluminação e produção cultural. As oficinas integram o projeto Curto Circuito no Andaime contemplado pelo FAC 2010 e tem como objetivo fomentar e proporcionar o intercambio do processo de trabalho da Cia. A Andaime tem o interesse de dividir a sua pesquisa compartilhando o processo prático desenvolvido para a criação dos seus trabalhos e assim, incentivar a discussão, a apreciação e a pesquisa nas diferentes formas dentro das artes cênicas.

 

As oficinas são gratuitas e serão ministradas no mês de novembro de 2010 pelos artistas da Companhia - a maioria oriundos da Universidade de Brasília - que se destacam pela sua diversidade de pesquisa no fazer teatral, o que implica em cada oficina ter um foco diferente.

 

Para se inscrever é preciso ter disponibilidade, ser maior de 16 anos e já ter tido algum contato com o fazer teatral. Podem participar estudantes, professores de teatro e demais interessados. As vagas são limitadas. Confira no site www.andaimeciadeteatro.com.br todas as informações sobre as oficinas, datas e como fazer a inscrição.

 

A iniciativa faz parte de uma extensa programação da Andaime Companhia de Teatro que vem movimentando a cidade ao longo de 2010 com seu novo trabalho de intervenção urbana “Serpentes que fumam”. Além de apresentações do espetáculo (des)esperar, primeiro trabalho da Cia., em festivais como o “Mulher em Cena” que foi realizado em setembro na Sala Martins Pena do Teatro Nacional.

 

Com os dois espetáculos e com o projeto Curto Circuito no Andaime, A companhia atingiu novos públicos no 2º semestre deste ano. Em setembro, a Andaime foi para Uberaba, expandindo o contato do fazer teatral brasiliense com novos olhares. E para dezembro de 2010, já está com temporada marcada em Belo Horizonte, no espaço Cine Horto do conceituado grupo Galpão.

 

Antes de atingir o público de Minas Gerais, o projeto Curto Circuito no Andaime teve início em Julho de 2010 dentro do projeto de Oficinas gratuitas do Tubo de Ensaios realizado pelo DEA – Diretoria de Esportes, Arte e Cultura da Universidade de Brasília. Confira as fotos do resultado deste projeto!

 

No primeiro semestre de 2011 a Andaime vai levar as oficinas do projeto Curto Circuito no Andaime para algumas cidades satélites como, Taguatinga, Ceilândia, Gama.

 

Programe-se: Oficinas gratuitas com a Andaime Companhia de Teatro, de 17/11 a 01/12. Inscrições curtocircuito@andaimeciadeteatro.com.br. Informações: www.andaimeciadeteatro.com.br, ou pelo telefone 9964-8825.


08/11/2010   -    07h01




Paul McCartney cantarola "Aquarela do Brasil" ao convidar fãs para shows no país

 

UOL NEWS E FOLHA DE SÃO PAULO


Ao lado dos músicos de sua banda, Paul McCartney gravou um novo vídeo para convidar os fãs brasileiros para suas apresentações no país, que acontecem em Porto Alegre (próximo dia 7) e em São Paulo (21 e 22 de novembro).


Paul McCartney convida fãs brasileiros para show

 

Nas imagens, postadas no YouTube, McCartney finaliza o convite com uma improvisação da música "Aquarela do Brasil".


 

 

 

04/11/2010   -   09h17

 



Filme da brasileira Laís Bodanzky compete no Festival de Cinema de Roma


 

 

Cena do filme "As Melhores Coisas do Mundo"

 

AGENCIA EFE, EM ROMA

 

Começa nesta quinta-feira (28) o Festival Internacional de Cinema de Roma, que abre sua quinta edição com o filme "Last Night" (ainda sem título em português) e traz para o tapete vermelho suas duas protagonistas, as atrizes Eva Mendes e Keira Knightley.

 

Competindo na mostra "Alice Nella Città", dedicada ao público infantil e adolescente, o filme "As Melhores Coisas do Mundo", de Laís Bodanzky, vai levar o Brasil às telas do festival.

 

O longa-metragem tem no elenco Denise Fraga, Paulo Vilhena, Gabriela Rocha, Caio Blat, Francisco Miguez, Gabriel Illanes, Fiuk, José Carlos Machado e Gustavo Machado e conta a história de um menino de 15 anos que tem que enfrentar a vida adulta após viver uma sucessão de conflitos familiares.

 

Um dos destaques do festival é a esperada apresentação da versão restaurada de "La Dolce Vita", de Federico Fellini, que recuperou seu esplendor graças ao trabalho da Cinemateca de Bolonha e da Film Foundation, a fundação de Martin Scorsese que se dedica a preservar e restaurar arquivos cinematográficos.

 

Até o dia 5 de novembro, a mostra, que ainda é iniciante perto do veterano Festival Veneza, que acontece um mês antes, faz de Roma capital do cinema com palestras, encontros e um total de 146 filmes e documentários.

 

28/10/2010   -   07h46


 

Codplay é eleita a melhor banda para se na hora de dormir

 

DA REDAÇÃO BAND.COM.BR

 

 

 

O Coldplay foi eleito como a melhor banda para se ouvir na hora de dormir. A conclusão é de uma pesquisa feita com clientes da rede de hotéis britânica Travelodge. O pódio foi completado pelo cantor canadense Michael Bublé, em segundo lugar, e o grupo Snow Patrol, em terceiro.

Realizada através da internet, a enquete mostrou ainda que 84% das pessoas escutam música para relaxar antes de dormir. Dessas, uma em cada quatro dormem com seus iPods ligados e uma em cada dez dizem ter bons sonhos após pegar no sono ouvindo música.

"Ouvir música calma e relaxante antes de dormir resulta em um grande número de benefícios", declarou Stevie Williams, especialista do Edinburgh Sleep Center.

Conheça os 10 artistas que os britânicos mais ouvem para dormir:

1) Coldplay
2) Michael Bublé
3) Snow Patrol
4) Alicia Keys
5) Jack Johnson
6) Taylor Swift
7) Mozart
8) Barry White
9) Leona Lewis
10) Radiohead

 

27/10/2010   -   12h49

 


Intérprete de Freddy Mercury Prateado na TV inova no teatro

 

 

TERRA.COM.BR

 

 

Talvez quem ouvir o nome Eduardo Sterblitch não associe a pessoa. Mas ele é o intérprete de quatro dos personagens fixos mais famosos do Pânico da TV, da Rede TV!: César Polvilho, Ursinho Gente Fina, Serginho do BBB10 e o irreverente Freddie Mercury Prateado. Agora, Eduardo, de 23 anos, também se dedica a outra paixão: o teatro. Ele está em cartaz há um mês com o espetáculo Minhas Sinceras Desculpas, no teatro Procópio Ferreira, em São Paulo. Mas engana-se quem pensa se tratar de stand up comedy, que hoje é comum entre os humoristas. Eduardo arrisca-se em um monólogo complexo, dramático, porém com muita dose de humor. "Passo minha verdade", diz.

 

É difícil explicar o contexto de Minhas Sinceras Desculpas. Na peça, Eduardo representa um ator frustrado, que fala coisas sem sentido, que inclui fatos curiosos de sua vida e que também chama a atenção para a responsabilidade social. Nada lembra seus personagens que o tornaram famoso. Talvez um pouco porque o público associa a sua imagem ao que aparece na TV, mas durante sua apresentação, percebe-se que as pessoas se esquecem do Freddie Mercury Prateado, por exemplo.

 

O objetivo do espetáculo, segundo Eduardo, é trazer de maneira cômica, assuntos não interessantes e mostrar que hoje as pessoas pagam qualquer coisa e abraçam qualquer ideia. "Por que hoje você precisa de um desodorante que clareia axila, sendo que antigamente não existia isso? Apenas um desodorante comum não seria o suficiente?", questiona.

 

O monólogo tem 1h30 de duração. Parece muito, mas não quando se junta a ele uma banda formada por músicos profissionais de alto nível que permanecem o tempo todo no palco, porém esperando a hora certa para agir. Quando o ator se mostra um pouco cansado ou sente que já falou demais, eis que entram em cena saxifonista, trompetista, baixista, guitarrista, baterista e um cantor com uma voz poderosa que espanta qualquer tédio. No repertório, Marvin Gaye. A sensação é de que se está em um pub curtindo R&B.

 

Quem acha que já conhece o estilo de humor de Eduardo Sterblitch, é porque ainda não o assistiu no teatro. Em entrevista ao Terra, depois do espetáculo, o ator, fã de Paulo Autran, fala sobre sua paixão pelo o que faz.

 

O espetáculo é diferente de tudo o que você já fez na TV?

Acredito que sim, mas não é proposital, nem estratégico. É uma coisa minha, do tempo em que estudo teatro, é minha verdade. E agora estou tentando colocar em prática. Escrevo essa peça há 3 anos. E decidi incorporar a banda para diferenciar, não cansar. Se alguém não gostar do que eu faço, pelo menos a banda é muito boa (risos) e distrai. Mas eu passo a minha verdade nesse espetáculo, mesmo sendo um personagem, é sincero.

 

Muitos humoristas preferem seguir o estilo stand-up comedy. Por que você preferiu fugirdeste segmento?

Não é que eu fugi. Mas o stand up está muito saturado. Tem gente muito boa, bem melhor do que eu que poderia estar tentando coisas novas, mas ao invés disso, preferem o confortável ao invés de arriscar. Todos os atores devem passar por experiências novas. Aqui, no palco, eu tento fazer de tudo, uma peça simples, pós-moderna, mas de uma forma popular, que envolve assuntos que não deveriam ser engraçados, mas são.

 

E qual é o retorno que você recebe do público com esse estilo mais dramático?

Ótimo. O mais legal é conseguir envolver as pessoas. Eu jogo com a sinceridade, pois o que tenho próximo de mim é minha verdade. Se eu falasse de outra coisa, seria mentira.

 

No Pânico na TV, você interpreta quatro personagens fixos diferentes: César Polvilho, Ursinho Gente Fina, Serginho do BBB10 e o Freddie Mercury Prateado. Como você se prepara para cada um deles?

Estou todo o dia focado e com o objetivo de fazer um trabalho positivo para o programa. Eu quero ser funcional para o Pânico, assim como o Pânico é funcional para mim. A TV é mais descartável que o teatro, temos que bolar coisas novas a cada semana. E o programa é muito bom porque me dá liberdade para trabalhar. Eu consigo criar muito mais do que se eu trabalhasse em outro lugar. Eu fico feliz por estar em dois segmentos diferentes: o teatro, que eu amo tanto e a TV. Mas dos meus personagens, nenhum é complexo de fazer. Todos são iguais. Eu acho mais complexo o que os outros fazem.

 

Sendo tão versátil, alguém te chama de Eduardo?

Não. Muito difícil. As pessoas me chamam mais de Polvilho.

A imprensa divulgou recentemente que você tinha causado um mal estar na Rede TV!, que você reclama de tudo e a produção o evita. Como reagiu ao saber disso?

Fiquei muito triste, muito mesmo. Isso é mentira. Acho até engraçado porque nunca me imaginei entrar em uma polêmica com a imprensa, pensei que só a Luana Piovani entrava. A notícia foi publicada bem no dia da estreia da minha peça e a mídia preferiu dar destaque a isso, que não faço ideia de onde saiu, do que uma notícia positiva, que é a forma diferente que eu apresento o teatro. Fiquei bem chateado, mas isso não me prejudicou em nada.


Minhas Sinceras Desculpas

Dias e horários: As segundas, às 21h.
< Local: Teatro Procópio Ferreira, Rua Augusta, 2.823, Cerqueira César
Capacidade: 670 lugares
Ingresso: R$ 50
Duração: 1h30 minutos
Temporada: até 13 de dezembro
Informações: (11) 3083-4475

 

27/10/2010   -   09h42



Harvey Pekar apresenta biografias de escritores beatniks


 

 

CORREIOWEB

 

Os escritores da Geração Beat influenciaram incontáveis autores nos Estados Unidos e no mundo. O roteirista de histórias em quadrinhos Harvey Pekar foi um deles. Assim como a produção dos beats, a de Pekar era inovadora. Um encontro entre esses dois universos, se não necessariamente inevitável, seria no mínimo muito bem-vindo. E, um ano antes da morte do roteirista, em 12 de julho deste ano, essa ideia acabou vingando.

 

Os beats — graphic novel reúne histórias com roteiro de Harvey Pekar e arte de diversos desenhistas. Nancy J. Peters, Penelope Rosemont, Joyce Brarner, Trina Robbins e Tuli Kupferberg colaboram com o texto para histórias curtas. Ed Piskor, antigo colaborador de Pekar, assina a maioria dos desenhos. O restante fica a cargo de Jay Kinney, Nick Thorkelson, Mary Fleener, Anne Timmons e Jeffrey Lewis, entre outros. O lançamento nacional é da Editora Saraiva pelo selo Benvirá.

O título é dividido em duas grande partes. A primeira enfoca a vida de Jack Kerouac, Allen Ginsberg e William S. Burroughs. Cada um deles ganha uma minibiografia com relatos da vida pessoal e artística. Na segunda parte, Perspectivas, é a vez de outros autores menos conhecidos, mas não menos influentes e importantes para o movimento, serem lembrados em breves perfis.

Na teoria Os beats — graphic novel teria tudo para funcionar. O resultado, no entanto, deixa muito a desejar. Começando pelo subtítulo acrescido à edição nacional. Uma graphic novel é nada mais nada menos do que um romance gráfico, contado no formato de histórias em quadrinhos. A origem do termo é creditada ao roteirista e escritor americano Will Eisner para escapar da denominação comics,considerada muito limitadora para os novos trabalhos que ele queria publicar nos anos 1970.

 

Recentemente, especialmente no Brasil, a expressão graphic novel tem sido usada indiscriminadamente para qualquer história em quadrinhos com uma proposta levemente diferente da dos quadrinhos de super-herói encontrados em bancas de jornal. Os beats não se encaixa exatamente no conceito de graphic novel. O subtítulo original, A graphic history, seria mais adequado.

Pouco inspirado em seu texto, Pekar limita-se a listar acontecimentos biográficos dos beats. Faltam ritmo, emoção e qualquer tipo de gancho para prender o leitor à narrativa desenvolvida pelo roteirista. Kerouac, Ginsberg e Burroughs nunca pareceram tão desinteressantes. Quem nunca leu uma obra beat vai continuar conhecendo pouco sobre as inovações de seus autores depois de ler a HQ.

 No quesito gráfico, o livro sai-se ainda pior. Ed Piskor é um desenhista no limite do amadorismo. Seus quadros apenas reproduzem o que as palavras acabaram de dizer. Geralmente, apresentam apenas um personagem parado no meio de um cenário, com pouquíssima ação. Os outros desenhistas que participam do projeto também chamam pouca atenção, com exceção de Jerome Neukirich, Lance Tooks e Jeffrey Lewis, que exprimem alguma personalidade visual e que poderia ter ganhado mais destaque no projeto.

Quem nunca leu Harvey Pekar faz bem em começar por outro título do autor. Caso contrário, pode chegar a conclusão de que ele não merece todo o culto e o respeito que adquiriu em sua carreira — que rendeu, inclusive, o ótimo filme Anti-herói americano.

O herói do cotidiano

Durante muitos anos, Harvey Pekar (1939-2010) trabalhou no almoxarifado de um hospital. Para não ser sufocado por um cotidiano opressor, começou a fazer textos para histórias em quadrinhos sobre os pequenos acontecimentos de sua vida. Suas histórias foram ilustradas por vários artistas, inclusive por Robert Crumb. Em 1976, Pekar lançou a cultuada revista American Splendor, que, em pouco tempo, o transformaria em celebridade e referência para outros autores de quadrinhos graças ao tom confessional e bibliográfico de suas histórias.

 

25/10/10   -   08h18


The Black Eyed Peas - The E.N.D WorldTour


 

 

 

Paula Pratini - Tribuna do Brasil

 

Prepare-se!  Brasília vai tremer hoje à noite. O grupo americano de pop music ‘The Black Eyed Peas’ desembarca na capital federal com um dos mais esperados shows do ano, e considerado pela crítica especializada como o melhor realizado até agora.


 A turnê do último álbum da banda “The E.N.D (Energy Never Ends) World Tour” define bem o conceito do espetáculo. Segundo o líder do grupo Wil.i.am, os fãs se surpreenderão com a performance e a energia  do show.  “Será uma grande festa como se fosse um vibrante e gigante dance club, com os performers e DJs convidados”, expl The E.N.D. World Tour 2010 tem sido descrita como “o mais recente espetáculo pop sci-fi’ pelo New York Times, enquanto a U.S. Magazine afirma que a turnê é uma ‘festança futurista cheia de sucessos, diversão de alta energia e alguns interlúdios ‘solo’ espetaculares”.


O álbum ‘The E.N.D’, já vendeu quase 10 milhões de cópias em todo mundo, está há 60 semanas na lista TOP 200 da Revista Billboard; arrebatou 3 prêmios Grammy: Melhor Álbum Vocal Pop, melhor Short Form Music Vídeo (Boom Boom Pow) e Melhor Performance Pop por um Duo ou Grupo (I Gotta Feeling). A música alcançou a marca de 6 milhões de downloads digitais na SoundScan.
Qual será o segredo de tanto sucesso? Resposta fácil... letras positivas e com refrões grudentos, alto-astral e muito trabalho. 


Há algum tempo atrás assistí Wil.i.am declarar, no programa da Oprah Winfrey,  que acredita em física quântica e a utiliza em suas composições e suas letras. A definição é simples: a física quântica está entre a ciência e o mundo invisível, a matéria reduzida de forma subjetiva e no domínio do abstrato, não é algo material, na realidade, é a base de todos os seres. Deu pra entender?


 Teorias à parte, o que se pode esperar do show é uma apresentação que vai marcar os fãs por toda vida. Imagine uma megaestrutura com 8 canhões de raio laser, palco giratório, elevadores, bolas de espelho, 8 projetores de vídeo, 168 peças de vídeo screen, 300 refletores, e muito mais.


 O repertório do show será repleto de hits como: The End World Tour 2010, Let’s Get It Stared, Rock That Body, Meet Me Halfway, Alive/Don’t Phunk With My Heart, Imma Be, My Humps, Hey Mama, Missing You, Bebot/Mare, Fergalicious/Glamorous/Big Girls Don’t Cry, Pump It, Don’t Lie, Shut Up, Where’s the love, Boom Boom Pow e I Gotta Feeling.


22/10/2010   -   08h29



Mostra de paisagismo traz sugestões para aproveitar os espaços, palestras e oficinas

 

DA REDAÇÃO UOL

 

A 4ª Mostra de Paisagismo acontece a partir desta quarta-feira (20) no shopping CasaPark, em Brasília. Promovida anualmente pela Sociedade Brasília de Paisagismo, a exposição apresenta sete projetos paisagísticos com propostas para melhor aproveitar os espaços, além de sugestões para combinar plantas e mobiliários em diferentes estilos. Há também um estande do Jardim Botânico, com uma instalação que alerta sobre os ricos dos incêndios para o meio ambiente.






A programação do evento inclui palestras e oficinas com temas variados no campo da jardinagem e paisagismo, como uma oficina sobre grama, que mostra como preparar o solo e os tipos de grama; uma palestra sobre as novas perspectivas para o paisagismo, que engloba tetos verdes, jardins verticais e agricultura urbana; uma palestra sobre manutenção de plantas ornamentais, com dicas de controle de pragas, adubação e irrigação, e uma oficina de arranjo floral, onde serão abordados os tipos de arranjo (linear, redondo, formal, multidirecional) e conservação das flores, com acompanhamento de música ao vivo.
 

Veja abaixo a programação completa:
 

Dia 21 (quinta-feira)
Oficina da grama, ministrada pelo engenheiro agrônomo Breno Rodrigo Couto
Horário: 19h30 às 21h30
Local: auditório da Livraria Cultura
 

Dia 22 (sexta-feira)
Palestra “Novas perspectivas para o paisagismo”, ministrada pelo arquiteto e urbanista José Marcelo Martins Medeiros
Horário: 19h30 às 21h30
Local: auditório da Livraria Cultura
 

Dia 23 (sábado)
“Happening Floral”, oficina de arranjo floral com Joaquim Santos e Clarice Valente Aragão, ambos do Sindicato do Comércio Varejista de Carnes, Gêneros Alimentos, Frutas, Verduras, Flores e Plantas do Distrito Federal, com apresentação ao vivo de dueto de violino e teclado
Horário: 15h às 18h
Local: praça central
 

Palestra “Manutenção de plantas ornamentais”, com o paisagista Orlando Wilson Pereira
Horário: 20h às 21h30
Local: auditório da Livraria Cultura
 

Serviço


4ª Mostra de Paisagismo
Local: Shopping CasaPark - SGCV Sul lote 22, Brasília (DF)
Data: De 20 a 24 de outubro de 2010
Horário: De quarta a sábado, das 10h às 22h. Domingo, das 12h às 22h
Ingresso: A entrada e toda a programação são gratuitos
Informações: (61) 3366-3039 e 3366-5014


21/10/2010   -   09h43

 

 

 

A Personagens de "Tron" são apresentados

 

Terra.com.br

 

No dia 17 de dezembro, cinemas do mundo inteiro vão receber uma das ficções científicas mais esperadas dos últimos anos. Ao menos, dos últimos 28 anos, tempo que se passou desde que o primeiro Tron chegou aos cinemas, com um visual bastante arrojado para os limites da computação gráfica do começo dos anos 1980. Com Tron: O Legado, a Disney dará partida a uma possível nova franquia com imagens de deixar o queixo caído. Até o dia 25, o Terra vai mostrar o perfil de cada um desses personagens, com curiosidades de bastidores exclusivas sobre os atores que vestem esses mesmos papéis. Confira no link abaixo.


 

Foto: Divulgação


No primeiro personagem apresentado, ninguém menos que ele, Kevin Flynn, protagonista desta trama que existe desde o primeiro Tron e é interpretado pelo premiado Jeff Bridges.

 

21/10/2010   -   08h15

 

 

A Morte é uma Piada - Comédia


 


 

 

Teatro Nacional - Sala Martins Penna
Setor Cultural Norte - Via N2 - Asa Norte - Fone: 3325-6107

O espetáculo traz uma reflexão sobre o lado cômico da morte. A proposta do projeto que é dar a oportunidade das pessoas fazerem uma reflexão séria sobre um tema que inquieta à todos, como de onde viemos, o que estamos fazendo aqui e para onde vamos.

Elenco: Renato Prieto

 

De 23/10 a 24/10 - Sab e Dom
Horário: sab, às 21h; dom, às 20h
Preço: R$50,00 e R$25,00(meia)

 

20/10/2010   -   09h21

 

 

Rock: Frejat realiza apresentação na Expo Brasília

 



O músico apresenta o show e mostra canções de seu último CD Intimidade Entre Estranhos, com canções que retratam a experiência que é a vida urbana, com seus amores, encontros, desencontros e reflexões.

No repertório, Eu Só Queria Entender, Eu Não Quero Brigar Mais Não, Dois Lados, Nada Além, Tudo de Bom, além de sucessos como, Segredos, Amor pra Recomeçar, Sobre Nós Dois e o Resto do Mundo, entre outros. O show faz parte do 3º Salão Internacional do Artesanato.

 

Dia 11/11 - Qui
Horário: às 21h
Preço: R$35,00 a R$115,00

 

Festival de Brasília do Cinema Brasileiro


A coordenação do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro anunciará, nesta terça-feira (19), às 9h30, a relação das produções selecionadas para a 43ª edição da mostra. Ao todo, 459 produções foram inscritas. Destas, 108 são de Brasília, sendo: 4 longas, 20 curtas e 84 digitais, 102% a mais que a edição anterior, que recebeu 52 filmes. O aumento significativo pode ser observado como reflexo no incremento financeiro do Fundo de Apoio à Cultura. Desde 2009, o número de produções locais tem crescido, reafirmando a vocação de Brasília para a sétima arte.

Considerado um dos mais importantes do país, o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro acontecerá entre os dias 23 e 30 de novembro. O café da manhã, com anúncio dos filmes, será realizado no gabinete da Secretaria de Cultura, anexo do Teatro Nacional Cláudio Santoro.


 

O Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Criado em 1965, o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro é o mais antigo do país. De lá para cá, sempre foi referência de crítica e propagação da sétima arte. Idealizado por Paulo Emílio Salles Gomes, crítico de cinema, o evento que nasceu no início da Ditadura Militar, sempre teve caráter contestatório, o que levou a sua proibição durante os anos de 1972 e 1974.

Uma constelação de artistas já passou pelo tapete vermelho do Cine Brasília, entre eles, Fernanda Montenegro, Grande Otelo e Arnaldo Jabor. Todos premiados na primeira edição do evento. Entre as marcas registradas do Festival, estão a fidelidade à produção nacional, o espaço dado aos novos nomes e seu público extremamente crítico. Para os cineastas, o Festival de Brasília funciona como um termômetro, se o público daqui gostar, é sucesso garantido.

Desde 2007, a acessibilidade é garantida no FBCB. Para assegurar um direito igualitário à cultura, os filmes foram legendados e os deficientes visuais contam com um sistema de audiodescrição. Além disso, em 2008, pela primeira vez, os cegos escolheram o filme que mais gostaram.

Porém, mais que um propagar cultural, o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro é um dos grandes pontos de encontro da população da capital. Durante os seis dias de mostra competitiva, pessoas de todas as tribos e idades passam pelo Festival, principalmente, no Cine Brasília, onde ocorre a mostra competitiva.

18/10/2010 - 10h40

 

Exposição Cartas de Brasília

 

A mostra fica em exibição no Museu Vivo da Memória Candanga até o dia 19 de dezembro. Agendamento de visitas guiadas para grupos podem ser feitos no telefone 61-3301.3590. Horário de visita é de terça-feira a domingo das 9h às 17h


Via EPIA Sul - Lote D, HJKO
Fone: 301-3022

 

 

Sob curadoria das jornalistas e pesquisadoras Márcia Turcato e Tânia Ribeiro, a exposição apresenta aproximadamente 150 documentos originais, entre cartas, fotografias, ofícios, objetos das pessoas que ajudaram a construir Brasília. Um material inédito que fala das aventuras e desventuras de quem fez parte dessa história.

Em foco estão relatos que falam da poeira, da ventania, do canto das cigarras, de redemoinhos, enfim, histórias de candangos, de homens e mulheres empolgados com o desafio de fazer Brasília. Um exemplo que está exposto é a carta recebida pelo Presidente JK de uma jovem pedindo emprego para o marido desenhista e hoje, essa jovem é uma renomada cardiologista e ele um grande arquiteto.

Cartas de relatos apaixonados, convites, narrativas de alfabetizadores e de religiosos, cartas da primeira parteira, do operário e outras, formam a exposição que tem o objetivo de resgatar a história da Capital Federal.

 

18h10/2010 - 08h55

 

 

Green Day em Brasília


 

 

Após 12 anos desde sua primeira passagem pelo Brasil, o grupo volta para divulgar seu novo álbum, 21st Century Breakdown. Com 20 anos de estrada, o conjunto liderado por Billie Joe Armstrong, possui 10 álbuns de estúdio, sendo um dos mais importantes deles, American Idiot, de 2004.

No show, os fãs vão ouvir os grandes clássicos da banda, músicas como Wake me Up When September Ends, American Idiot, Time of Your Life, 21 Guns, entre outras. Autalmente o Green Day é formado pelo vocalista e guitarrista Billie Joe Armstrong, Mike Dirnt no baixo e Tré Cool na bateria. A banda Tiro Williams é a responsável por abrir o show.

 

Dia 17/10  - Dom
Horário: às 21h
Preço: R$100,00 a R$340,00

Ginásio Nilson Nelson
Eixo Monumental -
Zona 0
Fone: 3223-6772 / 3034-2524

 

 

Pré-venda de ingressos para Paul McCartney em SP tem cinco setores indisponíveis


Na manhã desta sexta-feira (15), poucas horas depois de ter início a pré-venda dos ingressos para o show do Paul McCartney em São Paulo, quatro setores estão "indisponíveis" e um está "esgotado" para venda pela internet.

Segundo o site Ingresso.com, já não há entradas à venda para pista prime, cadeira premium laranja, cadeira coberta laranja, arquibancada azul e arquibancada especial vermelha.

Ainda há entradas para seis setores.

 


O show será realizado no estádio do Morumbi no dia 21 de novembro. Uma apresentação extra no dia seguinte já foi anunciada pelo principal patrocinador do evento, mas não foi confirmada pela produção.

A pré-venda pela internet, disponível apenas para compra com cartões de crédito Bradesco, começou alguns minutos antes da 0h de hoje. Não houve lentidão para a compra. A venda por telefone 4003-3222 (ligação local de qualquer parte do Brasil) será iniciada às 9h, também para clientes de cartões Bradesco.

Segundo a produção, serão colocados à venda 60 mil ingressos para esta primeira apresentação, mas não foi informado quantos deles foram reservados para a pré-venda. A venda para o público geral começa no próximo dia 21.

Fonte: Folha online


Continuação de "Top Gun" deve ter participação de Tom Cruise


O filme "Top Gun - Ases Indomáveis" vai ganhar uma continuação 24 anos depois de seu sucesso ajudar a alçar Tom Cruise para a fama mundial.

O novo longa metragem sobre pilotos de caças da marinha norte-americana deverá ser conduzido pela mesma equipe com Tony Scott na direção e Jerry Bruckheimer na produção.

Segundo o site da revista "New York", Cruise já concordou em voltar ao personagem Maverick para a sequência desde que sua participação seja pequena e não seja "óbvia".

O roteiro ficará sob responsabilidade de Christopher McQuarrie, vencedor do Oscar de melhor roteiro por "Os Suspeitos".



Tom Cruise e Kelly McGillis em "Top Gun - Ases Indomáveis", de 1986

Fonte: Folha.com

 

Leny Andrade faz show em Brasília antes de embarcar para os EUA


Apresentações em Nova York e outras cidades dos Estados Unidos tornaram-se corriqueiras para Leny Andrade desde 1983, quando cumpriu sua primeira temporada no Blue Note, considerado, à época, o templo do jazz norte-americano. Em abril último, a cantora fez shows no Dizzy’s Jazz Coca Cola, casa criada por Wyinton Marsalis, no Lincoln Center, para homenagear o mitológico Dizzy Gillespie.

Em 10 de novembro, ela volta aos EUA, como a única artista brasileira convidada para a comemoração dos 15 anos da Wbgo FM Jazz, considerada uma das melhores rádios do mundo nesse segmento. “O show vai ser num teatro em New Jersey e, entre os outros participantes, estão Paquito D’Rivera e Wynton Marsalis. Terei em minha companhia o grande violonista Romero Lubambo, com venho trabalhando há vários anos”, anuncia ela.

O brasiliense poderá vê-la antes. Amanhã, às 22h, Leny canta na inauguração da Brasília Carioca, primeira casa de shows de Águas Claras, localizada na Avenida Castanheiras, com capacidade para 200 pessoas. Ao lado no palco estará o trio formado por Fernando Merlino (piano), Jamil Joanes (contrabaixo) e o brasiliense Erivelton Silva (bateria).

Em 1965, com Pery Ribeiro e o Bossa Três, grupo liderado pelo pianista Luis Carlos Vinhas, a futura grande estrela do jazz brasileiro, alcançou sucesso com Gemini V. Depois de cumprir vitoriosa temporada na boate Porão 73 (Rio), o espetáculo foi levado ao México. “Lá, o sucesso foi tão grande que quando o Gemini V saiu de cartaz — porque o Pery partiu para outro projeto —, eu me mantive naquele país por cinco anos. Atuei em ambientes de prestígio e lancei três discos, sempre cantando música brasileira”, recorda-se.

Novo álbum


Da discografia de Leny constam 27 títulos, incluindo o Alma mía, que acaba de ser lançado pelo selo carioca Fina Flor, no qual ela exibe sua faceta de grande intérprete de bolero. “Em breve chega às lojas outro álbum, o Meus melhores momentos, já gravado. Entre as faixas destaco a que traz um pot pourri com músicas de Vinicius de Moraes e dos parceiros Tom Jobim, Carlos Lira e Baden Powell”, antecipa.

Leny revela que será lançado, também ainda neste ano, a biografia dela, escrita por Regina Ribas para a Coleção Aplauso, coordenada por Rubens Edwald Filho. “No livro, me permiti contar tudo sobre minha vida e, obviamente, sobre minha carreira. Para ilustrar, foram reunidas muitas fotos minhas, com colegas da música como Tony Beneti, Roberto Menescal, Marcos Valle, Emílio Santiago, Os Cariocas e também meus familiares”.

 

Fonte: Correioweb

Criar um Site Grátis    |    Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net